20/11/2014

A vez em que eu fui ao show da minha banda favorita


Okay, não me matem. Eu sei que falta atualização no blog, e a queda no número de visitas mostra - desesperadamente - isso. Não quero fazer nada mal feito, mas não estou com cabeça pra cuidar do blog. Calma! Não é nenhum hiatus, eu garanto! Tô com vários planos que envolvem o ~universo~ fora da internet, e estou dando prioridade a eles. Sei que, quem acompanha o blog, sente falta de mais posts. Fofuxos: eu prometo que irei atualizar o blog a partir de dezembro!
Há seis dias, fui para um evento que ficaria marcado como o dia mais insano da minha vida. Vocês não medem a minha felicidade em participar dele, e claro, compartilhar tudo aqui. É meio louco realizar um sonho, não é mesmo? E no post de hoje, contarei mais um sonho realizado: ir ao show do Arctic Monkeys.

Quem viu um dos primeiros posts do blog, sabe que o Arctic Monkeys é uma das minhas bandas favoritas. Além deles serem super talentosos, a banda marca a época em que eu estava (re)modelando meus gostos. Pular do artistas da Disney para uma banda indie foi um baita progresso.

Pois bem, quando eu soube que a banda tocaria no Brasil, lógico que eu surtei, né? Guardei grana, arranjei companhia, conferi a censura. Tudo parecia perfeito. Porém, no dia em que fui comprar os ingressos, para a minha decepção, notei que a censura tinha sido alterada para 16 anos. Meu plano foi por água abaixo. Chorei de raiva e demorou umas duas semanas para que eu aceitasse o fato de que não os veria ao vivo.

Depois disso, acho que foi um sinal divino. Faltando quase duas semanas para o show, eu voltei a pensar no evento. Analisei todas as possibilidades que eu tinha. Sabia que uma amiga minha iria no show, beleza. Meus pais deixaram eu ir ao show se arranjasse companhia. Só faltava o ingresso. Fuçei em sites de venda de ingresso, eventos do show no Facebook e no fã-clube deles aqui no Brasil. Achei um garoto (obrigada, Igor!) que estava vendendo o ingresso que eu precisava pelo mesmo preço da bilheteira. Claro que eu aproveitei a oportunidade. Após a chegada do ingresso, nem tive tempo de surtar. Semana de provas é um saco. Na sexta-feira, caiu a ficha. Eu os veria ao vivo. Era bom demais pra ser verdade.



No dia 14, minha amiga me buscou às 16h, e chegamos na Arena Anhembi às 17h. Era 18h30 quando entrei na arena. De início, fiquei bem perto da grade da pista comum, mas conforme o pessoal se aglomerava, fui preferindo ficar mais pra trás. Estava tudo bem organizado e tranquilo, por isso pude ficar sentada até às 20h, então levantei e esperei o show do The Hives.

Eu conhecia duas músicas dos caras, mas não fazia ideia de que eles eram tão malucos. O vocalista cativou o público, conversava e se arriscava em algumas palavras em português. Eles fecharam o show às 22h30, com uma música deles que eu amava. Eles saíram e eu já estava no clima pra vez do Arctic.



O curto tempo de espera foi torturante, mas quando a arena apagou, um som familiar começou e o público reconheceu a introdução de Do I Wanna Know?, não me controlei. A partir daquele momento, toda a sede, toda a ansiedade, toda a dor não tinha significado. Eu estava lá, no meio da multidão, fazendo parte do show da minha banda favorita.

Eles tocaram Snap Out Of It antes de falarem com o público e anunciarem Arabella. Ouvir o solo ao vivo foi incrível! Brianstorm seguiu a setlist, que foi muito bem montada, com músicas dos cinco álbuns e dando prioridade ao último deles, o AM.

Por mais que eu fique ansiosa em lugares muito cheios, a energia da galera foi essencial para que o show fosse tão bom. Estar no meio de gente que também pirava com Teddy Picker, cantava alto Crying Lightning e pulava com I Bet You Look Good on the Dancefloor me deixou extremamente feliz. Desde os hits (saudades 505), até aquelas nem tão aceitas pelo público, a setlist foi altamente bem-recebida pelos milhares de fãs que, assim como eu, não acreditavam que faziam parte de tamanho evento. Eu amei todas as músicas que foram tocadas, em especial essas que eu acabei de citar, mas acho que nenhuma delas supera a pequena versão de Mardy Bum acústica. Quase chorei quando ouvi os primeiros versos da minha música favorita!


Como resultado disso tudo, fiquei acabada, dolorida, mas principalmente: com um sorriso de orelha a orelha e com a certeza de que vale a pena correr atrás de algo que você quer muito. Pode voltar, Arctic Monkeys, que eu já estou com saudades!
Quase morri com a nostalgia que me deu escrevendo esse post... Foi tudo tão maravilhoso! E vocês: já realizaram o sonho de ouvir a banda favorita de vocês ao vivo? Se sim, como foi? Quero saber, hein! Comenta aí!

19/10/2014

Top 3: Álbuns que me inspiram

Love

Sou uma pessoa tomada por acessos de inspiração. Tento aproveitar cada onda de inspiração que me inunda, já que entre um momento "colorido" e outro, se posso chamar assim (hehe), minha cabeça é tomada por um branco que não sei colorir. Depois de buscar várias coisas em blogs maravilhosos que me dessem inspiração, vi que muitas delas tinham a música como maior aliado. Fui ver se essa poderia ser minha nova fonte de inspiração, e foi uma das melhores coisas que já fiz. Pois bem, no post de hoje, eu quero compartilhar com vocês três álbuns que me trazem inspiração e me ajudam a escrever nos meus momentos mais esbranquiçados. Espero que gostem!

1. In Between Dreams - Jack Johnson


Sou apaixonada por voz e violão. Artistas como Jake Bugg, Ed Sheeran e John Mayer me conquistam com o talento mostrado com tão pouco. E claro que o Jack Johnson também faz parte dessa lista, né? Eu só conhecia uma música do cantor havaiano (Upside Down) quando decidi ouvir um dos seus álbuns mais amados. E olha: descobri o motivo de tamanho fascínio! Não é à toa que dizem que a beleza está nas coisas mais simples. Me conquistou, Jack!
Faixa Favorita: Good People

2. The Suburbs - Arcade Fire


Já faz 6 meses, mas o Lollapalooza ainda me vem à memória constantemente. Poucos dias depois do festival acabar, o que mais comentavam era a beleza do show do Arcade Fire. Decidi parar pra ouvir, e então escolhi o álbum que mais comentavam: The Suburbs. A originalidade da banda me pegou de primeira. Já tô querendo ouvir toda a discografia!
Faixa Favorita: The Suburbs

3. Hello My Name Is... - Bridgit Mendler


A Disney já deixou de ser uma referência em estrelas musicais pra mim há algum tempo. Mas isso não quer dizer que artistas com o nome ligado a ela não tenham um talento que mereça destaque. A Bridgit Mendler já me cativava depois de eu ter ouvido "Ready or Not", mas faz pouco tempo que decidi ouvir o álbum inteiro. E gente, me deu uma vontade de escrever sobre tantas coisas enquanto eu ouvia o álbum... Fiquei surpresa! Já tô esperando o próximo, Bridgit!
Faixa Favorita: Hurricane
Bom, gente, esse foi o post de hoje! Espero que tenham gostado! E aí: já conheciam algum dos álbuns? Se sim, o que acham deles? Se não, gostaram da indicação? O que fazem quando precisam de inspiração? Aceito dicas, viu?

30/09/2014

E aos 29, com retorno de Saturno

grunge | Tumblr

Faz pouco mais de um mês desde que o último post foi publicado no blog. De lá pra cá, muitas coisas aconteceram. Eu poderia fazer uma lista, uma série de postagens tentando mostrar sobre o quanto vocês imaginam que eu tenha aproveitado todo esse tempo, mas a verdade é que, externamente, quase nada mudou. Mas rolou muita coisa na minha cabeça, no meu modo de agir e pensar. E é nesse post que eu quero compartilhar um um pouco mais com vocês.

O colégio conseguiu me atolar. E não foram somente pelos estudos, não. Passei a ver todas as pessoas que me cercam no colégio com outros olhos. Percebi que não quero guardar mágoa de ninguém, caso os meus planos para o ano que vem se concretizem. Mesmo que isso signifique me afastar de pessoas que antes, significavam o mundo pra mim. Cheguei à conclusão de que Multimídia é a minha área, caso nada dê certo. Graças a um trabalho de inglês e outro de história, vi que adoro editar vídeos, mesmo sendo muito trabalhoso.

Me viciei em youtubers. Os garotos da O2L se tornaram minha nova paixão. Além de tudo, eles me ajudam a manter a minha nova mentalidade pra vida: ver tudo com muito mais positividade. Isso pode soar clichê, meio good vibes, mas é a mais pura verdade. Quando você passa a encarar o mundo com mais brilho, aproveitar cada dia que nasce, e a desejar o bem, tudo isso faz um bem enorme pra você.

Ganhei um celular novo, num momento totalmente inesperado. Isso significou muitos aplicativos de fotografia, um maior vício na internet e ficar no whatsapp 25h por dia, hehe. Graças a isso, me aproximei demais das Puris, grupo que agora me ajuda e é um dos motivos pelo qual eu sorrio todos os dias. Aliás, me aproximar de amigas virtuais vem sendo uma das minhas maiores felicidades. Deixei um pouco de usar o twitter pra ficar no instagram (já me seguiu lá?). Agora entendo o vício das pessoas nessa rede social.

Vi muitos filmes, mas nenhum atual. Silêncio dos Inocentes me conquistou. Fui na Bienal do Livro e voltei com 8 itens pra minha estante, que vão desde Nicholas Sparks até um livro de mistério de uma editora pouco conhecida. Tirei foto com a Carolina Munhóz. Li "Orgulho e Preconceito" e estou aceitando um Sr. Darcy aparecer na minha vida. O mais rápido possível.

Me aceitei mais como pessoa. Comecei a gostar de coisas que passava longe, passei a repudiar coisas que adorava, voltei a fazer o que gostava. Aos poucos, vou achando meu lugar nesse mundo, que se mostra tão pequeno e tão grande ao mesmo tempo. Agora, não tenho mais tanto medo do que encontrar. Tenho pessoas incríveis ao meu lado. E um sorriso pra iluminar meu caminho.


23/08/2014

Inspiração: Contra a Luz

little lovers so polite
Gente, só quero avisar que posso demorar um pouco mais pra postar, mas não vou esquecer o blog, viu? Tô com encomenda pra terminar (já pediu o seu layout?), falta pouco pra eu entrar na semana de provas e, pra piorar, uma gripe infernal resolveu me pegar de jeito :( Espero que entendam!
Fotografia significa "desenhar com a luz". Como o nome já deixa bem claro, a luz é o elemento mais importante da foto, portanto, deve ser usada ao nosso favor sempre que possível. Mas o que acontece quando ficamos contra a luz? O resultado são figuras delicadas e fontes de inspiração pra muita gente (incluindo eu): as silhuetas. Adoro tanto fotos contra a luz que resolvi reunir as minhas favoritas nesse post. Quem foi que disse que não é possível desenhar com a sombra também?

if you try to get closer, we'll only lose touch.

► Evening Solitude

Couples & Love / Dancing sillhouette love cute couples music happy dance the most beautiful things in this world to share those beautiful moments with the one you love <3 like/repin and share with friends and family <3 reminding them we love them too <3

Youth.  The feeling that I got whem he first asked me to be his other half gave me the feeling of being safe and honored for the rest of my life and boy I wouldnt change or relationship or our little fights because it took us both a long struggle to finally be happy and man  am I grateful  to have him and dont want it anyother way I love you Jake together forever forever together

Shadow

Untitled

Tumblr

Wedding photo idea - silhouette against lights.  Reminds me of Lord of the Rings, with Arwen and Aragorn “The unreal is more powerful than the real, because nothing is as perfect as you can imagine it. Because its only intangible ideas, concepts, beliefs, fantasies that last. stone crumbles. wood rots. people, well, they die. but things as fragile as a thought, a dream, a legend, they can go on and on.”

I like the idea of a silhouette against a light window. Could even do a few of these as the bump grows... dark [[[...only music seemed to calm her restless spirit, and once he could no longer play what she needed to here, the best he could do was run like hell...]]]

The feeling that I got whem he first asked me to be his other half gave me the feeling of being safe and honored for the rest of my life and boy I wouldnt change or relationship or our little fights because it took us both a long struggle to finally be happy and man  am I grateful  to have him and dont want it anyother way I love you Jake together forever forever together 

On point - silhouetted in a doorway. Love this picture!! I want to use it with a hockey player in the hall to the rink Boudoir For more ideas and inspiration visit www.cathedral-oaks.com or www.facebook.com/cathedraloaks

Vai me dizer que não ficou encantado com as silhuetas? Me pergunto como algo tão delicado pode ser capturado por uma lente...
Esse foi o post de hoje, espero que tenham gostado! E aí, qual foi sua foto favorita? Deixem aí nos comentários sua opinião sobre as fotos!
Beijos,
Malu

15/08/2014

New Stuff: Book Haul dos últimos meses



Olha mais um post de compras no ar, gente! Depois de postar os meus presentes de aniver e últimas comprinhas há dois meses, eu resolvi deixar um post em especial só para os meus queridinhos livros que passaram a fazer parte da minha estante. Sei que não sou a única que tem um leve surto quando chega numa livraria, já vou logo recolhendo todos os livros que eu quero e choro as pitangas pra minha mãe, mas quase sempre ela acaba vencendo. Felizmente, foi possível comprar e ganhar novos livros ao longo desses meses, e estou aqui pra mostrar todinhos pra vocês! Espero que gostem!




Esses três livros foram os responsáveis por meu sofrimento durante um mês. Ganhá-los foi uma história engraçada: eu estava conversando sobre a adaptação cinematográfica de Divergente com uma amiga minha, que estava derramando elogios sobre o quanto o filme tinha ficado bom, mas tão bom, que ela até ia veria comigo se fosse necessário. Eu disse que esperaria ler o livro pra ver o filme e eis que ela tem a ideia de me dar não só o primeiro livro, mas a saga completa de aniversário, e nem adiantou eu negar. Ao longo do mês do meu aniver, ela combinou com mais duas amigas minhas, e cada uma me deu um volume da trilogia. E olha: nunca me vi tão compenetrada em uma história e com tantas semelhanças com a protagonista. Já tem um espaço garantido no meu coração.

Quando é meu aniversário, minha tia já sabe que livros são a melhor opção de presente. Ela me perguntou quais eu queria, e dentre uma lista de livros selecionados, ela comprou esses dois. Morro de vontade de ler "Quem É Você, Alasca?" porque dizem ser o melhor livro do John Green, e "O Ladrão de Raios" é o primeiro volume da saga "Percy Jackson e os Olimpianos", que tem milhões de fãs ao redor do mundo. E acho que está prestes a conquistar mais uma!

No fim de maio, fui comprar um presente pra minha prima. Tá, isso parecia que ia dar certo, se eu não estivesse com dinheiro sobrando e com meu vale-presente, sozinha, em uma livraria. Eu ia comprar o segundo volume de Percy Jackson, mas resolvi investir nos clássicos e ataquei a sessão de livros de bolso. Diversos professores já me indicaram os livros da Jane Austen porque dizem que combinam muito comigo. Já passei da metade de Orgulho e Preconceito e estou bastante envolvida com a história. Só quero ver no que esse rolo entre o Sr. Darcy e a Lizzy Bennet vai resultar...

Aproveitei o preço dos livros de bolso pra levar mais um da Agatha Christie pra minha coleção. Falam muito bem desse volume, e estou bastante empolgada para lê-lo, já que a detetive nesse caso é a Miss Marple, e eu nunca tive a oportunidade de ler algum livro com ela. Será bastante interessante!

E como se não bastasse, aproveitei que livros são a coisa mais fotogênica ever e tirei mais alguns cliques dessas novas aquisições. Enjoy it!



E vocês: aumentaram a estante nesses últimos meses?
Esse foi o post de hoje, gente, espero que tenham gostado! Já leram algum livro desses que eu comprei? Se sim, qual foi? Gostaram? Têm alguma indicação de livro pra me dar? Estou aberta a sugestões viu? Deixem seu comentário no post, irei adorar saber suas opiniões!
Beijos,
Malu

08/08/2014

Um resumo das férias

Pier

Minhas férias acabaram oficialmente semana passada, e já deixou saudade. Saí pouco de casa, e isso significou passar muito tempo no computador, pesquisar o que ver no Netfilx e tirar alguns livros da estante. Por isso, resolvi fazer um post resumindo minhas férias em alguns tópicos: uma música, um livro, um filme, uma série e uma foto. Todas elas, juntas, fizeram com que esse mês que passei praticamente inteiro em casa não fosse tão chatinho assim. Espero que gostem!

Uma música: Voodoo Doll - 5 Seconds of Summer




Agora é oficial: não consigo mexer no computador se não estou ouvindo música. Então tô aproveitando pra ouvir artistas que eu sempre ouço falar, mas nunca pesquisei pra ouvir, ou até mesmo pra descobrir mais músicas de alguma banda. Foi isso que aconteceu com o 5 Seconds of Summer: eu conhecia duas ou três músicas, e então deixei tocando enquanto mexia no notebook. "Voodoo Doll" ganhou meu coração de tal jeito que eu passei uns dois ou três dias só ouvindo isso. Um amorzinho só <3

Um livro: Convergente - Veronica Roth



Eu ganhei os três livros da saga de aniversário, e dei a louca com eles. Devorei o primeiro e o segundo em uma semana, mas só de pensar que só teria mais um livro e a trilogia terminaria, me deu um aperto no coração. Só fui terminar o livro nessas férias, e gente, fiquei de boca aberta com o final! Ver o crescimento da Tris, o desenvolvimento das facções, e depois tudo tomando um rumo totalmente diferente... Só consigo descrever como incrível! Se vocês quiserem, eu escrevo uma resenha da trilogia, é só deixar nos comentários!

Um filme: Ilha do Medo


Eu tinha esse filme há séculos na minha lista no Netflix, então eu peguei uma semana pra assistir uns 10 filmes que estava enrolando pra começar, e esse foi meu favorito, sem dúvida! Eu confesso que só queria assistir porque tinha o Leo DiCaprio - que aliás, está impecável no filme, como sempre -, mas depois que vi a sinopse e o diretor, fiquei ainda mais animada em vê-lo. Toda a tensão psicológica, a trilha sonora, as perguntas sem respostas... Tudo isso junto forma um filme que te deixa preso do início ao fim, e com um final inacreditável! Está nos meus favoritos!

Uma série: Orange Is The Black


E não é que eu tô começando a tomar gosto por séries? Andei pesquisando sobre várias e percebi que minha lista de seriados pra ver só aumenta. Mas uma delas já foi riscada: Orange Is The New Black. Ela é simplesmente incrível! Conta a história de Piper Chapman, uma mulher que está se estabilizando na vida, até que é sentenciada a cumprir 15 meses numa prisão feminina por carregar uma maleta de dinheiro oriunda do tráfico de drogas internacional, que tinha como participante sua ex-namorada Alex Vause. É engraçado, mas contém porções de drama na medida certa. Você se vê envolvida com as detentas e torcendo para que todas consigam arrumar sua vida do melhor modo possível. Já terminei as duas temporadas e tô em crise de abstinência: como vou sobreviver até o ano que vem?

Uma foto: selfie na exposição



Não tirei muitas fotos nas férias, mas tirei uma foto minha na exposição da Yayoi Kusama, na instalação de luz negra. Saí com cara de zumbi, mas achei que ficou super divertida!
Então, isso foi um pequeno resuminho do que eu fiz nas férias! Espero que vocês tenham gostado do post, comentem o que acharam, irei adorar saber!
Beijos,
Malu 

29/07/2014

Top 5: Covers incríveis feitos por outros artistas

So much hottness in such a small picture
não basta ter 1 boyband pra sofrer na foto, tem que ter gente de 2
Eu não sei vocês, mas quando eu descubro uma banda ou passo a ouvir um artista depois de muito tempo, eu procuro todas as músicas, entrevistas e aparições possíveis. Piro com as apresentações e com a galera cantando junto a música deles. E piro mais ainda quando eles cantam uma música que eu conheço e adoro. Não sou de acompanhar covers, mas confesso que quando eles são feitos por artistas que eu admiro, abro uma exceção e me permito ter os ataques de fangirl, haha. E esse é o motivo principal do post: listar os meus covers favoritos das bandas do meu <3. E não liguem se forem bandas que eu vivo falando, viu? O amor é mais forte, haha.

1. Muse - Feeling Good


A banda que tem seu nome citado na saga "Crepúsculo" ganhou meu coração depois do show que fizeram no Rock In Rio ano passado. Uma das músicas que mais me chamou atenção foi a versão de Feeling Good, clássico da cantora de jazz Nina Simone, que conta com o vocalista Matt Bellamy tocando piano e depois usando um megafone para distorcer a voz. Está no meus favoritos!

2. Ed Sheeran - Baby One More Time


Que o Ed Sheeran é talentoso, todo mundo sabe. Que ele faz magia com a música, todo mundo sabe. Mas acho que ninguém esperava que ele conseguisse deixar uma música da Britney Spears tão incrível só na voz e violão. Mais um motivo pra amar esse cara. Totalmente sem comentários.

3. Union J - Bastille


A boyband fofuxa que participou do X-Factor em 2012 chegou ao quarto lugar na competição cantando covers. E mesmo com um álbum lançado, eles voltaram às origens e liberaram a versão deles do sucesso da banda Bastille, outro amorzinho meu. Claro que isso só poderia dar certo, não?

4. Fall Out Boy - Saturday's Night Alright for Fighting


Tá, me processem. Não sei se essa é a décima ou vigésima vez que eu falo do Fall Out Boy aqui no blog, mas me deem um desconto, eles são muito bons. Depois da colaboração do Elton John na faixa-título do último álbum da banda, o FOB entrou para o time de artistas que teriam seus covers como parte do relançamento do álbum do Elton John, o "Goodbye Yellow Brick Road". Ficou tão bom que só ouvindo vocês irão entender.

5. The Wanted - Iris


Amor de prisoner nunca morre, não é? Foi na minha época um pouco mais obcecada pelo The Wanted que eu achei esse cover deles pelo youtube. Depois de ouvi-lo, descobri duas coisas: eles são muito talentosos, e essa música é simplesmente maravilhosa.

BONUS: The Vamps - 22


Olha mais uma boyband aí, gente! Sei que o nome é TOP 5, mas não achei justo sair daqui sem citar o The Vamps. Resolvi deixá-los como bônus porque foi com os covers que eles estão conquistando o espaço no mundo da música atual, e isso inclui o lançamento do álbum deles. Mesmo não sendo fã da Taylor, eu fiquei apaixonada por essa versão da música!
Bom gente, essa foi minha seleção! Espero que tenham gostado! Conheciam alguma delas? Têm mais algum cover feito por um artista super legal pra me indicarem? Comentem, irei adorar saber!
Beijos,
Malu

23/07/2014

Obsessão Infinita - Yayoi Kusama

E mais um mês do ano está se passando. Julho foi um mês realmente proveitoso. Como viajar estava fora de cogitação, e com alguns planos sendo riscados da minha lista, meu mês de férias acabou se resumindo em dormir, mexer no notebook e Netflix. Mas como ninguém é de ferro e minha vontade meio alucinada de bater perna por São Paulo apareceu depois de ser soterrada pelos estudos e falta de tempo, resolvi ir em alguns lugares da cidade que me chamavam atenção. E um deles foi a famosa exposição "Obsessão Infinita" da artista Yayoi Kusama.

Ela, que sofre de alucinações, esquizofrenia e transtorno obsessivo compulsivo desde a infância, decidiu deixar transparecer em sua arte tudo que enxerga e sente com seus problemas e alucinações, o que explica a presença de bolinhas e espelhos em suas obras. Nos anos 1950, ela começou a trabalhar em sua célebre série, "Rede infinita". A exposição "Obsessão Infinita" reúne mais de 100 obras da artista entre os anos de 1949 e 2012, incluindo pinturas, trabalhos em papel, esculturas, vídeos, apresentações em slides e instalações.

A exposição vinha me chamando bastante atenção depois que vi diversas blogueiras postando fotos em um cômodo escuro, com diversas lâmpadas pequenas e coloridas. Como minha curiosidade falou mais alto, resolvi ir visitar a mostra, e confesso que gostei muito do trabalho dela.

Eu fui na última terça-feira, dia 22, para o Instituto Tomie Ohtake, lugar onde o trabalho da Yayoi Kusama está exposto. Desci na estação Faria Lima do metrô e andei até a Rua Coropés, localização do lugar. Eu cheguei lá 12h, portanto, o Instituto já tinha aberto. Fiquei 2h na fila pra entrar, e depois, mais fila pra visitar as diversas áreas da exposição.



No andar de baixo, tinha a sala que eu não fui por conta da fila imensa, mas nela, você ganhava uma cartela de adesivos de bolinhas coloridas pra colar em qualquer lugar na sala. E em outro ponto do andar, havia uma instalação com diversas bolas rosas com bolinhas pretas por todas elas, e uma tela onde passa um vídeo da artista.






No andar de cima, estavam expostos slides com fotos da artista, quadros e suas primeiras obras da série "Obsessão Infinita", chamadas de "Acumulações": objetos de uso diário cobertos com falos de pelúcia ou massa seca. Em uma dessas áreas, tinha a famosa "Sala de Espelhos Infinitos - Campo de Falos": uma instalação onde você entra e fica rodeada de espelhos, e o chão está coberto de falos de pelúcia com a famosa estampa de bolinhas usada por Yayoi Kusama.






E por fim, tinha a tão esperada instalação "Sala de Espelhos Infinitos - Cheia de Brilho da Vida". Para chegar até lá, você de início entrava e via uma sala de estar toda mobiliada, mas a diferença era que o lugar era iluminado por luz negra e várias bolinhas coloridas compunham o lugar.



Então você seguia por um corredor onde via vários quadros da Yayoi expostos.







E então, a tão incrível sala de espelhos. Era uma instalação pequena, escura, com um corredor no meio e dos lados, o espaço era ocupado por água. A sala era rodeada de espelhos e, na frente deles, diversas lâmpadas pequenas estavam penduradas e mudavam de cor. Você tinha a sensação de estar imersa no meio das luzes e de nunca mais querer sair de lá.

Pra quem quiser, a exposição estará em São Paulo até dia 27 apenas, no Instituto Tomie Ohtake, localizado na Av. Faria Lima, nº 221, e acesso pela Rua Coropés. Fica aberto das 11h até às 18h por conta do grande volume de pessoas que querem ver as obras. Recomendo chegar antes da abertura do Instituto e se preparar pra enfrentar fila em todos os lugares. Mas tenha certeza: vai valer bastante a pena!
O post ficou grandinho, pra variar, mas consegui falar tudo o que eu queria aqui! E vocês, já foram na exposição? Se sim, o que acharam? Se não, ficaram com vontade? Comente!
Beijos,
Malu